Perfil do Pequeno Empresário

Informações sobre o perfil dos Pequenos Empresários do Brasil, onde funcionam os seus negócios, o que faziam antes de se tornarem empresários, suas principais áreas de atividade econômica e os motivos que os levaram a se tornar um Pequeno Empresário.

 Assunto disponibilizado pela Unidade de Gestão Estratégica do Sebrae Nacional


Índice

Perfil
Qual é a escolaridade dos Pequenos Empresários?
Quais são as atividades econômicas mais frequentes entre os Pequenos Empresários?
Onde funciona o negócio dos Pequenos Empresários?
Quais os motivos que levam os Pequenos Empresários a escolher o empreendedorismo?
Qual é a ocupação do empreendedor antes de se tornar Pequeno Empresário?
Quais são os principais motivos para a formalização segundo os Pequenos Empresários?
Por quanto tempo os Pequenos Empresários estiveram na informalidade?
Os Pequenos Empresários têm outras fontes de renda?
Qual é o tamanho da família dos Pequenos Empresários?
Qual é a renda familiar dos Pequenos Empresários?

Impactos da formalização
Qual é o impacto da formalização nas condições de compra com os fornecedores?
Qual é o impacto da formalização nas vendas para outras empresas?
Qual é o impacto da formalização nas vendas para o governo?
Qual é o impacto da formalização no acesso a crédito?

Relatórios completos
Referências


Qual é a escolaridade dos Pequenos Empresários?

Mais da metade dos Pequenos Empresários (62%) chegaram ao nível superior. Esse resultado indica que esse público tem uma escolaridade acima da média brasileira (17%) e acima do observado entre os MEI (24%) e os ME (53%).

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Quais são as atividades econômicas mais frequentes entre os Pequenos Empresários?

As atividades mais comuns entre os Pequenos Empresários são o comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios, o comercio de produtos alimentícios, e o transporte de carga, exercida por mais de 15 mil Pequenos Empresários (cerca de 10% do total de EPP no Brasil). Entre as outras atividades mais frequentes estão Lanchonetes e restaurantes (2,8%) e o comercio de peças e acessórios para veículos (2,5%).

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Onde funciona o negócio dos Pequenos Empresários?

A maioria dos Pequenos Empresários opera o seu negócio em um estabelecimento comercial (86%). Entre os microempresários 71% operam o negócio em um estabelecimento comercial, entre os MEI a residência ainda é o principal local de funcionamento do negócio (44%).

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Quais os motivos que levam os Pequenos Empresários a escolher o empreendedorismo?

Quando questionados quanto ao principal motivo que os levou a se tornarem Pequenos Empresários, as principais respostas foram ter conhecimento ou experiencia na área em que empreenderam (41%) e oportunidade de mercado (27%). Importante observar que essa é uma situação diferente do que é observado entre os MEI, onde a vontade de ser independente (36%) e a necessidade de uma fonte de renda (33%) são os principais motivadores.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Qual é a ocupação do empreendedor antes de se tornar microempresário?

Antes de se tornarem Pequenos Empresários a maioria (56%) era empregado com carteira assinada. Interessante notar que essa situação é semelhante a encontrada entre os MEI e os ME, onde a maioria também tinha um emprego com carteira assinada antes de se tornarem empreendedores.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Quais são os principais motivos para a formalização segundo os Pequenos Empresários?

Quando questionados quanto ao principal motivo que os levou a se formalizarem os Pequenos Empresários citaram ter uma empresa formal (34%), ser dono do próprio negócio (13%), e aproveitar uma oportunidade de mercado (8%). Interessante notar que no caso do MEI os motivos mais citados são benefício do INSS (26%) e ter uma empresa formal (26%).

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Por quanto tempo os Pequenos Empresários estiveram na informalidade?

Para aqueles que informaram que antes de se tornarem pequenos empresários eram empreendedores informais, questionou-se por quanto tempo eles haviam permanecido na informalidade. 59% disseram que passaram mais de 7 anos na informalidade. O tempo médio que os empreendedores passaram na informalidade foi de 10 anos.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Os Pequenos Empresários têm outras fontes de renda?

A maioria dos entrevistados relataram que a sua atividade como Pequeno Empresário é a sua única fonte de renda (73%). Entre os MEI a proporção daqueles que tem o empreendedorismo como única fonte de renda é maior (77%) e entre os ME menor (69%).

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Qual é o tamanho da família dos Pequenos Empresários?

Em média a família do Pequeno Empresário tem o tamanho da família brasileira, ou seja, é composta por 3,3 pessoas. Resultado semelhante foi encontrado entre os MEI e os ME.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Qual é a renda familiar dos Pequenos Empresários?

Em relação a renda familiar dos Pequenos Empresários, a pesquisa apontou que a maioria (59%) tem renda de mais de 6 salários mínimos, ou seja, mais de R$ 5.622,00. A renda média ficou em R$ 10.715,00.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Qual é o impacto da formalização nas condições de compra com os fornecedores?

A maioria dos microempresários (94%) afirmou que ter um CNPJ proporcionou melhoria nas condições de compra junto a fornecedores. Essa situação é semelhante a observada entre o MEI e o ME.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Qual é o impacto da formalização nas vendas para outras empresas?

A possibilidade de emitir nota fiscal facilita as vendas para outras empresas, já que pessoas jurídicas têm mais exigências no que diz respeito à compra de produtos e serviços do que pessoas físicas.
Nota-se que 66% dos Pequenos Empresários afirmaram que é frequente a venda de produtos e serviços para outras empresas. Entre MEI e ME essa frequência é menor, entre os MEI 29% vendem com frequência para outras empresas, entre os ME 52%.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Qual é o impacto da formalização nas vendas para o governo?

Outro benefício de se formalizar (ter um CNPJ) é a possibilidade de vender para governos e prefeituras. Um dos mecanismos da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (LC 123/2006) é a preferência em licitações. Porém, os números indicam que esse benefício ainda pode ser ampliado: 41% afirmaram que nunca venderam produtos ou serviços para a prefeitura ou governo. Entre MEI e ME a proporção daqueles que vendem para governos é ainda menor.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Qual é o impacto da formalização no acesso a crédito?

Em relação ao acesso ao crédito,nota-se que a uma boa parcela dos Pequenos Empresários (44%) não buscou empréstimo como pessoa jurídica após a sua formalização. Apesar desse cenário ser melhor do que o observado entre os MEI e ME, esses números parecem mostrar que ainda há espaço para avançar em relação a esse aspecto.

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.

Relatórios completos

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.
Perfil das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Sebrae,2018.
Estudo do perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.
Pesquisa do perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017. 

Referências

Perfil da ME e EPP. Sebrae, 2017.
Perfil das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Sebrae,2018
Estudo do perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.
Pesquisa do perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.