Sobrevivência das empresas

Quanto tempo uma empresa é capaz de manter as suas atividades no Brasil? Esse é um indicador importante ao ambiente dos pequenos negócios. Neste assunto são apresentadas as principais causas de mortalidade, o impacto do ambiente externo e taxa de sobrevivência das empresas no Brasil.

Assunto disponibilizado pela Unidade de Gestão Estratégica do Sebrae Nacional


Índice

Qual é a taxa de sobrevivência das empresas no Brasil?
Quais são as causas da mortalidade de empresas no Brasil?
Qual é a principal dificuldade enfrentada no primeiro ano de atividade da empresa?
O que teria sido útil para evitar o fechamento das empresas, na opinião dos empresários?
Qual o impacto do Simples Nacional na taxa de sobrevivência das empresas?
Qual o impacto da crise econômica dos últimos anos (2014/2016) na taxa de sobrevivência das empresas?
Relatórios completos
Referências


Qual é a taxa de sobrevivência das empresas no Brasil?

Entre 2010 e 2014, a taxa de sobrevivência das empresas com até 2 anos passou de 54% para 77%. Em boa parte, essa melhora se deve à ampliação do número de Microempreendedores Individuais (MEI). Quando os MEI são excluídos da análise, a taxa de sobrevivência cresce apenas 4 pontos percentuais, passando de 54% para 58%.

O MEI causa um impacto positivo no cálculo da taxa de sobrevivência de empresas porque, além da taxa desse segmento ser mais alta, a sua participação no total de empreendimentos passou de 0% para 63% do total de empresas criadas, entre 2008 e 2012.

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.

Quais são as causas da mortalidade de empresas no Brasil?

Não é possível atribuir a um único fator a causa dos acidentes, mas sim, a uma combinação de fatores em quatro grandes áreas: a situação do empresário antes da abertura, o planejamento dos negócios, a capacitação em gestão empresarial e a gestão do negócio em si.

A probabilidade de fechamento é maior entre os empresários que estavam desempregados antes de abrir o negócio, que tinham pouca experiência no ramo, que abriram o negócio por necessidade (ou exigência de cliente/fornecedor), tiveram menos tempo para planejar, não conseguiram negociar com fornecedores, não conseguiram empréstimos em bancos, não aperfeiçoavam produtos ou serviços, não investiam na capacitação da mão-de-obra, não buscaram inovar, não faziam o acompanhamento rigoroso de receitas e despesas, não diferenciavam seus produtos e não investiam na sua própria capacitação em gestão empresarial.

new-piktochart_21238472_0a5c5053b29341dfde45ed39d059ab7ca5118680

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.

Qual é a principal dificuldade enfrentada no primeiro ano de atividade de empresa?

A pesquisa realizada pelo Sebrae em 2016, com empresas criadas em 2011 e 2012, mostra que as principais dificuldades enfrentadas no primeiro ano de atividade foram: falta de clientes (16%), falta de capital (16%), falta de conhecimento (12%), mão de obra (10%), imposto/ tributos (10%), inadimplência (6%), concorrência (4%) e burocracia (4%).

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.

O que teria sido útil para evitar o fechamento das empresas, na opinião dos empresários?

A pesquisa realizada pelo Sebrae, em 2016, com empresas que encerraram suas atividades, mostra que, na opinião dessas empresas, teria sido útil para evitar o fechamento do negócio: menos impostos e encargos (52%), mais clientes (28%), crédito mais facilitado (21%) e um melhor planejamento do negócio (18%).

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.

Qual é o impacto do Simples Nacional na taxa de sobrevivência das empresas?

De acordo com o último estudo do Sebrae sobre sobrevivência de empresas, a taxa de sobrevivência das empresas optantes do Simples Nacional é o dobro da taxa das empresas não optantes.

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.

Qual é o impacto da crise econômica dos últimos anos (2014/2016) na taxa de sobrevivência das empresas?

A taxa de sobrevivência das empresas com até 2 anos chegou a 77% em 2014 (empresas criadas em 2012). Para as empresas criadas nos anos seguintes, estima-se uma tendência de queda da taxa de sobrevivência, devido à crise econômica que se agravou nos anos 2015 e 2016.

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.

Relatórios completos

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.

Referências

Sobrevivência das Empresas no Brasil. Sebrae, 2016.