Receita do Setor de Comércio

A Pesquisa Mensal de Comércio permite acompanhar a conjuntura do Setor de Comércio e é realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Seus dois principais indicadores são a receita nominal e o volume de vendas (receita real, considerando a inflação) no comércio varejista e ampliado.

O público alvo da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) [1] são empresas comerciais com 20 ou mais pessoas ocupadas. A abrangência das pesquisas é nacional e há indicadores para todas as Unidades Federativas. Os resultados são divididos conforme os grupos de atividade [2] em consonância com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) 2.0.

Assunto disponibilizado pela Unidade de Atendimento Setorial – Comércio e Serviços


Índice

Receita no Setor de Comércio
Resultados regionais
Comércio Varejista Ampliado
Referências


 

Receita no Setor de Comércio

De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), o volume de vendas (receita após descontar a inflação) no Comércio Varejista apresentou queda de 0,5% entre julho e agosto. Ela foi divulgada no dia 11/10 pelo IBGE. Caso a comparação seja feita entre agosto de 2017 e agosto de 2016, ocorreu um aumento de 3,6%. A taxa acumulada nos últimos 12 meses está em -1,6%.

Resultados regionais

No contexto regional, 10 dos 27 estados apresentaram variações positivas em agosto. Os UFs com maior com variação positiva foram Tocantins (5,5%), Rondônia (3,9%) e Roraima (2,6%). Por outro lado, as quedas ocorreram em Amazonas (-3,2%), São Paulo (-1,7%) e Sergipe (-1,4%).

Comércio Varejista Ampliado

O setor que mais teve impacto no resultado positivo de 3,6% no Comércio Varejista comparando-se agosto em 2017 e 2016 foram os de Móveis e eletrodomésticos (1,4 p.p.) e Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,8 p.p.).

No Comércio Varejista Ampliado, que também considera Veículos e motos, partes e peças e Material de Construção, a variação foi de 0,1% em agosto frente ao mês imediatamente anterior. Ademais, na comparação anual ocorreu avanço de 7,6%.  Nesse caso, os setores de Veículos, motocicletas, partes e peças (3,0 p.p.) e de Material de construção (1,3 p.p.) também tiveram influência no resultado positivo.

De acordo com a publicação, os principais fatores para tal desempenho são:

  1. Produção industrial: avanço de 0,4% em agosto de 2017 frente a agosto de 2016, segundo o IBGE/DPE/COIND;
  2. De acordo com o Banco Central, ocorreu uma queda na taxa média de juros às pessoas jurídicas de 22,0% em agosto de 2016 para 18,8% em agosto de 2017.

Referências

[1] Para acessar a página da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), clique aqui.

[2] Para baixar o pdf com as notas metodológicas da PMC, clique aqui.