Perfil do MEI

Informações sobre os microempreendedores individuais do Brasil, como as principais áreas de atividade econômica e os motivos mais comuns para se tornar um MEI.

Assunto disponibilizado pela Unidade de Gestão Estratégica do Sebrae Nacional


Índice

Perfil
Quem é o MEI?
Quais são as atividades econômicas mais frequentes entre os MEI?
Quais são as atividades econômicas com maior participação de Mulheres entre os MEI?
Onde funciona o negócio do MEI?
Quais os motivos que levam o MEI a escolher o empreendedorismo?
Qual é a ocupação do empreendedor antes de se formalizar como MEI?
Quais são os principais motivos para a formalização segundo os MEI?
Por quanto tempo os MEI estiveram na informalidade?
O MEI tem outras fontes de renda?
Qual é o tamanho da família do MEI?
Qual é a renda familiar do MEI?

Impactos da formalização
Qual é o impacto da formalização nas vendas totais?
Qual é o impacto da formalização nas condições de compra com os fornecedores?
Qual é o impacto da formalização nas vendas para outras empresas?
Qual é o impacto da formalização nas vendas para o governo?
Qual é o impacto da formalização no acesso a crédito?

Relatórios completos
Referências


Quem é o MEI?

Quais são as atividades econômicas mais frequentes entre os MEI?

A atividade mais comum entre os MEI é o comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios, exercida por mais de 550 mil empreendedores (mais de 10% do total de MEI no Brasil). Entre as outras atividades mais frequentes estão os cabeleireiros (7,6%), as obras de alvenaria (4,1%) e as lanchonetes ou similares (2,8%).

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2016.

Quais são as atividades econômicas com maior participação de Mulheres entre os MEI?

Entre os setores com predominância de MEI do sexo feminino, os mais notáveis são as atividades de tratamento de beleza (96,3%), a confecção de peças de vestuário, seja sob medida (89.6%) ou não (84,5%) e a fabricação de produtos diversos (81%)

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2016.

Onde funciona o negócio do MEI?

A maioria dos microempreendedores individuais tem na sua própria residência o seu local de trabalho. A proporção de MEI que estão em atividade na residência ou na empresa dos clientes aumentou em relação a 2015.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Quais os motivos que levam o MEI a escolher o empreendedorismo?

Quando questionados acerca do que os levou a se tornar um empreendedor, os MEI citaram a vontade de ser independente, não ter um chefe e a necessidade de uma fonte de renda. Interessante notar que esses dois motivos representam a situação de 7 em cada 10 MEI.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.

Qual é a ocupação do empreendedor antes de se formalizar como MEI?

A ocupação anterior da maioria dos MEI era de empregado formal (50%), seguido de empreendedor informal (22%), empregado informal (12%) e dono de casa (6%). Comparando-se os dados de 2017 com os de 2013, percebe-se uma diminuição significativa da participação dos MEI que eram empreendedores informais, de 31% para 22%.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Quais são os principais motivos para a formalização segundo os MEI?

Quando questionados quanto ao principal motivo que os levou a se tornarem microempreendedores individuais, as respostas principais foram os benefícios do INSS (26%), ter uma empresa formal (26%), a possibilidade de emitir nota fiscal (12%) e a possibilidade de fazer compras melhores ou mais baratas (7%).

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Por quanto tempo os MEI estiveram na informalidade?

Para aqueles que informaram que antes de se tornarem MEI eram empreendedores informais, questionou-se por quanto tempo eles haviam permanecido na informalidade 59% disseram que passaram mais de 8 anos na informalidade. O tempo médio que os empreendedores passaram na informalidade foi de 11 anos.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.

O MEI tem outras fontes de renda?

A maioria dos entrevistados relataram que a sua atividade como microempreendedor individual é a sua única fonte de renda. Em relação à pesquisa de 2015 nota-se que não houve diferença nesse quesito.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Qual é o tamanho da família do MEI?

Em média a família do mei em o tamanho da atual família brasileira, ou seja, é composta por 3,4 pessoas. Segundo o último censo realizado pelo IBGE em 2010, a família brasileira é composta em média por 3,3 pessoas.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.

Qual é a renda familiar do MEI?

Em relação a renda familiar do MEI, a pesquisa apontou que a maioria (59%) tem renda de até 4 salários mínimos, ou seja, R$ 3.748,00. A renda média ficou em R$ 3926,00.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.

Qual é o impacto da formalização nas vendas totais?

A maioria dos microempreendedores (78%) afirma que houve um aumento no número total das vendas após a formalização, um aumento considerável em relação aos dados de 2015.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Qual é o impacto da formalização nas condições de compra com os fornecedores?

Para a maioria dos MEI (74%), a formalização significou uma melhoria nas condições de compra de fornecedores.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Qual é o impacto da formalização nas vendas para outras empresas?

A possibilidade de emitir nota fiscal facilita as vendas para outras empresas, já que pessoas jurídicas têm mais exigências no que diz respeito à compra de produtos e serviços do que pessoas físicas.

Nota-se que o número de MEIs que sempre vendem para outras empresas subiu consideravelmente de 2015 para 2017 (15% para 29%). Entretanto, mais da metade (54%) ainda não realiza esse tipo de venda.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Qual é o impacto da formalização nas vendas para o governo?

Outro benefício de se formalizar como microempreendedor individual é a possibilidade de se vender para governos e prefeituras. Um dos mecanismos da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (LC 123/2006), que abarca os microempreendedores individuais, é a preferência em licitações. Porém, os números indicam que esse benefício parece ainda pouco utilizado pelos MEI: 86% afirmaram que nunca venderam produtos ou serviços para a prefeitura ou governo.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2015 e 2017.

Qual é o impacto da formalização no acesso a crédito?

Questionados sobre o acesso ao crédito, a maioria dos microempreendedores individuais afirmou não ter buscado por empréstimos como pessoa jurídica após a sua formalização. O percentual dos que fizeram essa afirmação diminuiu em relação à pesquisa anterior, passando de 84% para 79%. Outros 12% buscaram mas não conseguiram empréstimo, enquanto que 9% declararam terem buscado e conseguido empréstimo.

Esses números parecem mostrar que ainda há espaço para avançar com relação ao acesso a crédito por parte dos microempreendedores, dado que, segundo os próprios empreendedores, apenas 21% buscaram e 92% nunca conseguiram um empréstimo em nome de sua empresa.

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.

Relatórios completos

Estudo do perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.
Estudo do perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2016.
Pesquisa do perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017. 

Referências

Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2016.
Perfil do microempreendedor individual. Sebrae, 2017.