.

IG – Região de Pinhal

A cafeicultura da região de Pinhal constituiu em um dos pilares do desenvolvimento econômico da região e do Brasil, sendo referência do trabalho livre e de melhoria da qualidade de vida para a população local.

Este assunto é de responsabilidade da unidade de Inovação.4 de Setembro de 2018


1 / 6

2 / 6

3 / 6

4 / 6

5 / 6

6 / 6


Passagem entre a plantação.
Café da região.
Vista da indicação geográfica.
Grãos de café ao sol.
Flor.
Marca visual.

Sobre a Indicação Geográfica


A história da cafeicultura da região se inicia em 1850. O desenvolvimento da região ocorreu concomitantemente ao desenvolvimento da cafeicultura. Em 1881, foi criada por meio da Lei nº 62 a Comarca do Espírito Santo do Pinhal e, em 1883, elevada a à categoria de cidade. Todo esse processo de transformação política de Espírito Santo do Pinhal estava atrelado à riqueza acumulada com a cafeicultura e foi liderado pela elite cafeicultora.

Apesar de haver uma produção baseada na escravidão nesse período no Brasil, desde 1867, a Colônia de Nova Lousã, em Espírito Santo do Pinhal, se destacou e constitui objeto de estudo de historiadores pela sua experiência com o trabalho livre. Foi tamanho o sucesso da colônia, que recebeu ilustres visitas, inclusive o Imperador D. Pedro II, em 1878.

A cafeicultura significou desenvolvimento e progresso para a região, uma vez que os recursos oriundos da cafeicultura eram investidos em outros setores da economia, como foi o caso da construção da ferrovia, inaugurada em 1889. A melhora no transporte constitui um marco para a região e possibilitou melhoria na cidade, facilidade da circulação de notícias e contribuiu para o aumento da produção de café.


A Região Mogiana pode ser subdivida com base na característica de produção; organização política e associativista dos produtores de café; relevo, aspectos históricos; perfil da bebida; em três áreas: baixa, média e alta. A Região da Mogiana de Pinhal corresponde à média Mogiana, que abrange 16 municípios, totalizando 43.992 ha de cafezais do tipo arábica, situada na face paulista da Serra da Mantiqueira, com altitudes que variam de 800 a 1.100 metros.

A região é caracterizada pela cafeicultura de montanha com cultivos de espaçamento tradicional e sistemas de produção de perfil familiar. O clima é ameno, com temperatura média anual variando de 14°C a 21°C, e período definido de déficit hídrico, de abril a setembro.


O café da Região de Pinhal é caracterizado pelo equilíbrio entre corpo, acidez e doçura, com aroma intenso e finalização longa. Os cafés oriundos do processamento do tipo natural devem obter pontuação mínima de 75 pontos na metodologia SCAA (Associação Americana de Cafés Especiais) e aqueles oriundos do processamento do tipo cereja descascado e despolpado devem obter pontuação mínima de 80 pontos.

São utilizadas as variedades da espécie Coffea arabica, obtidas por meio da colheita manual no pano ou mecanizada. Somente será aceita a utilização da Indicação Geográfica blends com no mínimo 60% de cafés verdes da Região de Pinhal com outros cafés da espécie Coffea arabica.


Um dos pilares da Indicação Geográfica Região de Pinhal é a sustentabilidade. O Regulamento de Uso prevê a responsabilidade social, ao prever condições de segurança e qualificação aos trabalhadores da região; e também a responsabilidade ambiental, ao estabelecer a adequada destinação aos resíduos e embalagens, dentre outras disposições.


Conselho do Café da Mogiana de Pinhal – COCAMPI
Endereço: Rua Eduardo Teixeira, 120 – Centro | Cidade: Espírito Santo do Pinhal/SP | CEP: 13.990-000
Telefone: +55 (19) 3661-8181| Site: www.coopinhal.coop.br


Dados Técnicos

Número: BR402014000001-8
Indicação Geográfica: Região de Pinhal
UF: São Paulo
Requerente: Conselho do Café da Mogiana de Pinhal – COCAMPI
Produto: Café Verde e Café Torrado e Moído
Data do Registro: 19/07/2016
Delimitação: Os municípios que compõem a Região de Pinhal são Espírito Santo do Pinhal, Santo Antônio do Jardim, Aguaí, São João da Boa Vista, Água da Prata, Estiva Gerbi, Mogi Guaçu e Itapira, todos localizados no Estado de São Paulo. A região possui coordenadas extremas: Norte 21º49’6.33”S (município de Águas da Prata), Sul 22º35’9.66”S(município de Itapira), Leste 46º35’54.87”W (município de Santo Antônio do Jardim) e Oeste 47º14’31.52”W (município de Mogi Guaçu). Dentro da Região de Pinhal, o município de Espirito Santo do Pinhal é o maior produtor de café, sendo que já cultivava café em meados da década de 1980.ua área é de 394 km², a altitude da sede atinge 870 m. Encontra-se a uma latitude 22º11’00” sul e a uma longitude 46º44’00” oeste, com clima temperado, sujeito às variações moderadas; Seus limites são, ao norte com as cidades de Aguaí, São João do Boa Vista e Santo Antônio do Jardim; ao sul, com Mogi Guaçu, Itapira e Jacutinga (MG); ao leste, com Jacutinga (MG) e Santo Antônio Jardim e a oeste, com Aguaí e Mogi Guaçu. Sua distância é de 190 km da cidade de São Paulo capital do Estado. O Rio Mogi Guaçu corta o Município de Pinhal, no extremo sudeste, a partir da Fazenda Guatapará até a confluência do Rio Eleutério, que é a nossa divisa natural com o município de Itapira. Os rios do Espirito Santo do Pinhal pertencem às bacias hidrográficas do Mogi Guaçu e do Jaguari Mirim. O grande espigão central sobre o qual a cidade funcional como um dispersor de águas, que demandam as citadas bacias. A Região de Pinhal se localiza entre os contrafortes da face paulista da Serra da Mantiqueira, na parte noroeste do Estado de São Paulo e junto à fronteira estadual com Minas Gerais. Pertencem à grande morfoestrutura, conhecida por Planalto Atlântico. Neste vasto planalto, temos variações fisionômicas regionais, que possibilitam delimitar unidades geomorfológicas distintas. O relevo é composto por morros e cristas, com topos convexos, típica dos chamados “mares de morros”. As altitudes variam de leste para oeste, na divisa com o Estado de Minas Gerais estão entre 900 a 1.100 metros e, parte central, onde está a sede municipal, variam entre 800 a 900 metros. As rochas desta parte morfológica são constituídas por gnaisses e magmatitos e os solos são do tipo Cambissolos e Podzólicos vermelho-amarelado, sendo que nestes solos são comuns os afloramentos rochosos nas encostas mais inclinadas. São facilmente encontradas, ainda, grandes rochas arredondadas formadas pelas intempéries, chamadas matacões. Ao norte do Espirito Santo do Pinhal, um desses esporões recebe o nome local de Serra do Bebedouro, com altitudes que podem atingir 1.200 metros, onde esta Fazenda Santa Inês e vizinhanças. A Serra do Bebedouro serve, em alguns segmentos, de divisa estadual com Minas Gerais e, também, divisa com o município vizinho de Santo Antônio do Jardim. Ao sudeste está a Serra da Boa Vista, onde encontramos as fazendas Juventina, Floresta, Boa Vista, Funil, Guatapará e outras.