Emprego

A geração de emprego é uma medida importante para monitorar o crescimento econômico. Neste assunto serão apresentadas análises relacionadas a salário, emprego e formalização da economia.

Assunto disponibilizado pela Unidade de Gestão Estratégica do Sebrae Nacional


Índice

Qual é o tamanho da força de trabalho no Brasil?
Qual é a quantidade de pessoas ocupadas?
Qual é a quantidade de pessoas desocupadas?
Como tem evoluído a geração de empregos formais?
Qual é a quantidade de trabalhadores empregados com carteira assinada?
Qual é a quantidade de trabalhadores empregados sem carteira assinada?
Quantos são os empreendedores com negócio?
Como tem evoluído a taxa de desemprego no Brasil?
Quais são os estados mais atingidos pelo desemprego?
Quais são as faixas de idade mais afetadas pelo desemprego?

Emprego nas MPE
Qual foi o saldo mensal de empregos gerados pelas MPE?
Quais foram os saldos de empregos gerados pelas MPE nos últimos 13 meses?
Quais foram os saldos de empregos gerados pelas MPE, por setor econômico?
Quais foram os saldos de empregos gerados pelas MPE, por UF?

Referências


Qual é o tamanho da força de trabalho no Brasil?

No trimestre encerrado em março de 2018, 104,3 milhões de pessoas faziam parte da força de trabalho, ou seja, estavam ocupadas ou desocupadas. Esse contingente representa 62% das pessoas em idade de trabalhar (14 anos ou mais).[2]

Qual é a quantidade de pessoas ocupadas?

No trimestre encerrado em março de 2018, o número de pessoas ocupadas atingiu 90,6 milhões.[2]

Qual é a quantidade de pessoas desocupadas?

No trimestre encerrado em março de 2018, o mercado de trabalho contabilizou 13,7 milhões de desempregados.[2]

Como tem evoluído a geração de empregos formais?

Pelo terceiro mês consecutivo, o Brasil teve saldo positivo de geração de empregos em março de 2018. [1]. O saldo líquido de empregos (admissões menos desligamentos) em março foi de 56,2 mil vagas.

Qual é a quantidade de trabalhadores empregados com carteira assinada?

O número de trabalhadores empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada continua em queda.[2] Em março de 2018 havia 32,9 milhões de trabalhadores registrados com carteira assinada.

Qual é a quantidade de trabalhadores empregados sem carteira assinada?

O número de trabalhadores empregados no setor privado sem carteira assinada chegou a 10,7 milhões em março de 2018. [2]

Quantos são os empreendedores com negócio?

O volume de empreendedores com negócio (empregadores ou conta própria) atingiu 27,3 milhões no trimestre encerrado em março de 2018. [2]

Como tem evoluído a taxa de desemprego no Brasil?

A taxa de desemprego ficou em 13,1% no trimestre encerrado em março de 2018.  [2].

Quais são os estados mais atingidos pela taxa de desemprego?

Segundo os dados do 1º trimestre de 2018, no recorte estadual, o Amapá registrou a maior taxa de desemprego (21,5%), enquanto Santa Catarina apresentou a menor taxa (6,5%). [2].

Quais são as faixas de idade mais afetadas pelo desemprego?

Entre a população que está entrando no mercado de trabalho, jovens de 18 a 24 anos, a taxa de desemprego fechou o 1º trimestre de 2018 em 28,1%. Esse valor é mais que o dobro da taxa geral de desemprego para o período (13,1%).[2].

Qual foi o saldo mensal de empregos gerados pelas MPE? 

Em praticamente todos os meses de 2017, os pequenos negócios registraram saldos de líquidos positivos empregos gerados, à exceção dos meses de março e dezembro, este último em função da sazonalidade. Já as MGE computaram saldos positivos apenas em três meses de 2017 (abril, maio e outubro).

Apesar dos saldos negativos de empregos registrados em março e em dezembro, os pequenos negócios, em 2017, foram responsáveis pela geração de aproximadamente 330 mil novos empregos, ao passo que as MGE responderam pela extinção líquida de 350 mil postos de trabalho, no ano passado [1].

Quais foram os saldos de empregos gerados pelas MPE no último ano?

No primeiro trimestre de 2018, as MPE acumulam um saldo positivo de 196 mil novos empregos gerados, 127% acima do registrado no mesmo período do ano passado. Ressalte-se que este saldo tende aumentar ainda mais, quando o Ministério do Trabalho divulgar, em maio, os saldos das declarações “fora do prazo”, relativas a março/2018.

Nos últimos treze meses, as MPE já respondem pela geração de 426 mil novos empregos no país, enquanto as Médias e Grandes Empresas extinguiram, nesse período, cerca de 263 mil postos de trabalho. [1].

Quais foram os saldos de empregos gerados pelas MPE, por setor econômico?

Mais uma vez, os pequenos negócios do setor de Serviços puxaram as contratações, com a criação de 34,3 mil novas vagas, em março/2018, destacando-se as empresas que atuam nas atividades de Ensino (+12,2 mil empregos) e no ramo Imobiliário (+11,6 mil empregos).

Também registraram saldo positivo de emprego os Pequenos Negócios da Indústria de Transformação, com a geração de 8,3 mil novos empregos, da Construção Civil (+6 mil empregos), da Agropecuária (+2,3 mil postos) e da Extrativa Mineral (+347 empregos). [1].

Quais foram os saldos de empregos gerados pelas MPE, por UF?

O estado de São Paulo foi o que mais gerou empregos em março/2018, respondendo pela criação de 11,9 mil novos postos de trabalho (25,1% do emprego gerado no país, nesse mês), seguido pelo estado de Minas Gerais, com criação de 10,4 mil empregos. Com isso, a região Sudeste encabeçou a geração de empregos no país, em março/2018, criando 26,6 mil postos de trabalho. A região Sul, por sua vez, gerou 11,2 mil novos empregos, a Nordeste, 8,2 mil empregos e a Norte, 1,3 mil empregos. Já a região Centro-Oeste registrou saldo quase nulo, de apenas 8 empregos gerados no terceiro mês deste ano.  [1].

Relatórios completos

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PnadC/IBGE.
Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED/MTPS.

Referências

[1] Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED/MTPS.
[2] Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – PnadC/IBGE.