Confiança de serviços

O Índice de Confiança de Serviços é o principal indicador da Sondagem de Serviços , feita pela Fundação Getúlio Vargas em parceria com o Banco Central do Brasil. A pesquisa é realizada mensalmente e possui abrangência nacional. Seu objetivo é permitir monitoramento e antecipação de tendências econômicas com base em informações prestadas por empresas do setor.

De maneira mais detalhada, o Índice de Confiança de Serviços (ICS) [1] representa a média aritmética de dois outros indicadores: Índice da Situação Atual (ISA-S) e Índice de Expectativas (IE-S). O Índice da Situação Atual (ISA-S) considera o Volume da Demanda Atual e a Situação Atual dos Negócios, enquanto o Índice de Expectativas (IE-S) é baseado na média aritmética dos indicadores Demanda prevista nos três meses seguintes e Situação dos negócios nos seis meses seguintesDessa maneira, é possível acompanhar mensalmente como as empresas de Serviços percebem o cenário atual dos negócios e suas expectativas para os próximos meses.

Assunto disponibilizado pela Unidade de Atendimento Setorial – Comércio e Serviços


Índice

Índice de Confiança de Serviços (ICS)
Índice da Situação Atual (ISA-S)
Índice de Expectativas (IE-S)
Nível de Utilização da Capacidade do Setor de Serviço (NUCI)
Fatores Limitantes

Referências


 

Índice de Confiança de Serviços (ICS)

Índice de Confiança de Serviços (ICS) apresentou recuo de 0,1 pontos em novembro após quatro meses de consecutivos de alta. O índice chega a 87,7 pontos. Ele foi divulgado no dia 29/11 pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O virtual desempenho neutro no mês não altera o quadro positivo dos indicadores nos últimos meses, dada a evolução que teve no segundo semestre do ano.

Índice da Situação Atual (ISA-S)

Índice da Situação Atual (ISA-S) teve recuo de 0,8 pontos chegando a 83 pontos. A principal influência neste resultado foi a queda de 1,2 ponto na Situação atual dos negócios.

Índice de Expectativas (IE-S)

Índice de Expectativas (IE-S) subiu 0,7 ponto em função, exclusivamente, da melhora do indicador de Demanda Prevista, que subiu 2,5 pontos, para 90,4 pontos. O IE-S chegou a 92,7 pontos no mês de novembro.

Nível de Utilização da Capacidade do Setor de Serviço (NUCI)

O Nível de Utilização da Capacidade do Setor de Serviço (NUCI) recuou 0,6 ponto percentual em novembro, para 82,4%, devolvendo parte do crescimento de 1,5 pontos registrados no mês anterior.

Referências

[1] Para baixar a metodologia da Sondagem de Serviços diretamente no site da FGV, basta clicar neste link.